ATRAÇÕES TURÍSTICAS


;

APROVEITE SUA ESTADIA PARA CONHECER OS MELHORES ATRATIVOS DA CIDADE


PRAÇA DA LIBERDADE / CIRCUITO CULTURAL PRAÇA DA LIBERDADE

Com jardins, coretos, repuxos e estátuas em mármore de Carrara, a Praça da Liberdade localiza-se no final da Avenida João Pinheiro, de frente para o Palácio da Liberdade, sendo cortada por dupla fileir de palmeiras imperiais. Cercando a praça, construções ecléticas datadas da época da transferência da capital.

Pela sua localização privilegiada, a Praça da Liberdade se tornou um dos locais mais visitados de Belo Horizonte. Os moradores se apropriaram desse espaço, onde acontecem caminhadas, piqueniques, eventos, música, teatro etc. No seu entorno, foi implantado o Circuito Cultural da Praça da Liberdade. Cada prédio, que antes era utilizado pelas Secretarias de Estado, foi transformado em um espaço cultural aberto à visitação. 


Endereço:  

Praça da Liberdade - Savassi


Complemento:

Avenida Bias Fortes, Avenida Brasil e Avenida João Pinheiro


Balcão de Informações:  

Cada atrativo vai ter seu horário de funcionamento e valores.


Feira Hippie

Idealizada por um grupo de artistas mineiros e críticos de arte, esta feira surgiu na Praça da Liberdade em 1969.?Artistas plásticos e artesãos de diversas especialidades ali se reuniam, expunham e?vendiam os seus trabalhos. Em 1973, foi reconhecida e?oficializada pela Prefeitura de Belo Horizonte. Em 1991, Feira Hippie nome carinhosamente dado pela população e pelos visitantes àquela feira de artesanato que acontecia na Praça da Liberdade e outras feiras de artesanato espalhadas pela cidade foram reunidas e transferidas para a Avenida Afonso Pena, no centro de Belo Horizonte, dando origem à maior feira de artesanato a céu aberto da América Latina.


A nova feira, criada oficialmente com o nome de Feira de Artes, Artesanato e Produtores de Variedades da Avenida Afonso Pena, herdou da antiga feira da Praça da Liberdade, o carinhoso nome de Feira Hippie. E é com esse nome que ela é conhecida e reconhecida até hoje pelos moradores da capital. A Feira é dividida em 16 setores, com mais de 2.000 expositores e cerca de 10 mil trabalhadores diretos e indiretos. Ela recebe, em média, 80 mil visitantes a cada domingo.


Endereço:  

Av. Afonso Pena, 1387 - Centro, Belo Horizonte.


Balcão de Informações:  

Domingo 06h às 14h. Entrada: gratuita


Palácio das Artes

O prédio do Palácio das Artes ocupa um complexo arquitetônico de 18.000 m², administrado pela Fundação Clóvis Salgado.


O projeto original foi de Oscar Niemeyer, que idealizou o teatro voltado para o Parque Municipal e ligado à Avenida Afonso Pena por uma passarela de concreto.


O conjunto arquitetônico é composto pelo Grande Teatro, onde há sempre algum espetáculo em estilos variados: música, teatro e dança; pelo Teatro de Arena João Ceschiatti, pela Sala Juvenal Dias, pelo Cine Humberto Mauro, por três galerias de arte, espaço multimeios, além de áreas para convivência, prédios da administração, salas de ensaio e o Centro de Formação Artística, com escolas de música, teatro e dança. 


Endereço:  

Avenida Afonso Pena, 1537 - Centro


Telefone:  

31 3236-7400


Balcão de Informações:

2ª a sáb. das 9h às 21h, dom. das 14h às 20h, feriados das 9h às 21h (sujeito a alterações conforme a programação da casa).


PARQUE DAS MANGABEIRAS

Encravado na Serra do Curral, o Parque Municipal das Mangabeiras é um dos maiores e mais belos redutos ecológicos de Belo Horizonte. Com projeto paisagístico assinado por Burle Marx, é a maior área verde da cidade, com 2,3 milhões de m² de matas nativas, onde se pode fazer trilhas no meio de micos, esquilos e outros animais silvestres. E tem ainda quiosques, quadras poliesportivas, brinquedos para crianças e arenas para shows e teatros.

Endereço:  

Avenida José do Patrocínio Pontes, 580 - Mangabeiras


Telefone:  

31 3277-8277 / 31 3277-9697


Horário de Funcionamento:  

3ª a dom. e feriados das 8h às 17h


Entrada: gratuita


Parque Municipal

Localizado na região central de Belo Horizonte, foi inaugurado em 26 de Setembro de 1897, antes mesmo da inauguração nova capital mineira. É o patrimônio ambiental mais antigo de Belo Horizonte e foi projetado no final do século XIX pela comissão construtora encarregada de planejar a nova capital de Minas Gerais. Possui uma área de 182 mil metros quadrados de extensa vegetação. Abriga o Teatro Francisco Nunes, Orquidário, um pequeno parque de diversões e a parte dos fundos do Palácio das Artes.


Após 111 anos de sua implantação, o parque forma hoje um ecossistema representativo com árvores centenárias e ampla diversidade de espécies. Possui diversas nascentes que abastecem três lagoas e cerca de 280 espécies de árvores exóticas e nativas, como: figueiras, jaqueiras, cipreste-calvo, flamboyant, eucalipto, sapucaia, pau-mulato e pau-rei. O espaço também abriga mais de 100 espécies de aves entre bem-te-vis, sabiás, garças, periquitos, pica-paus, sanhaços, saíras e outros animais, como gambás e micos. É um verdadeiro refúgio para a fauna silvestre.


O Parque Municipal Américo Renné Giannetti foi projetado em estilo romântico inglês, pelo arquiteto paisagista francês, Paul Villon, para ser o maior e mais bonito parque urbano da América Latina. Antes de sua implantação, o espaço abrigava a Chácara do Sr. Guilherme Vaz de Mello, conhecida como Chácara do Sapo. O local serviu de moradia para o próprio Paul Villon e para Aarão Reis, engenheiro chefe da Comissão Construtora, encarregada de planejar e construir a nova capital de Minas Gerais. Em 1924, o governador do Estado Olegário Maciel transfere a residência oficial para o Parque Municipal, até o final de sua gestão.


O parque possuía, originalmente, uma área de 600 mil metros quadrados, A partir de 1905, inicia-se o processo de perda de espaços para construções diversas e de sua área original, o parque chega ao século XXI com apenas 182 mil metros quadrados.


Endereço:

Avenida Afonso Pena, 1377 - Centro


Telefone:

31 3277-4161


Horário de Funcionamento:

3ª a dom. e feriados das 6h às 18h (com entrada permitida até às 17h45)


Entrada:

gratuita


Mercado Central

Com mais de 400 lojas, o Mercado Central é um dos pontos comerciais mais procurados de Belo Horizonte e recebe todos os dias da semana um público de todas as partes de Minas Gerais e do mundo, que consegue unir suas compras ao lazer e à diversão, percorrendo os corredores temáticos como o dos queijos, dos doces, dos artesanatos, das ervas, das raízes, dos artigos religiosos, e as praças, como a da feijoada e a do abacaxi. Lado a lado com bancas coloridas de hortifrutigranjeiros sempre frescos, o visitante dispõe de um completo estoque dos mais variados produtos típicos da culinária mineira.


Dentre os produtos mais procurados estão a goiabada, a cachaça da roça e o famoso queijo minas.


Endereço:  

2ª a sáb. das 7h às 18h, dom. e feriados das 7h às 13h


Entrada:

Gratuita


Zoologico

Fundado em 1959, o Zoológico de Belo Horizonte tem se tornado um importante espaço de lazer e aprendizagem para os moradores da capital mineira e de outras cidades do país, que sempre visitam seus atrativos.

Os visitantes encontram no Jardim Zoológico cerca de 3 mil animais de mais de 250 espécies entre répteis, aves, anfíbios e mamíferos, representantes dos cinco continentes.


Endereço:

Avenida Otacílio Negrão de Lima, 8000 - Pampulha


Telefone:

31 3277-8489


Horário de Funcionamento:

3ª a dom. (inclusive feriados) das 8h às 17h (entrada permitida até uma hora antes do fechamento).


Valor:

Terça a sexta-feira: R$4,00

Sábado: R$5,00

Domingo e feriado: R$8,00


Inhotim

Centro de arte contemporânea. Inhotim é um lugar em contínua transformação, onde a arte convive em relação única com a natureza. Situado em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, Inhotim ocupa uma área de 97 ha de jardins botânicos com uma extensa coleção de espécies.


O acervo artístico do Inhotim compreende cerca de 500 obras de mais de 100 artistas de 30 diferentes nacionalidades. Com foco na arte contemporânea produzida a partir dos anos 1960 até os nossos dias, o acervo abrange escultura, instalação, pintura, desenho, fotografia, filme e vídeo.  


Por razões históricas, o acervo botânico do Inhotim é hoje melhor representado por grupos com valor paisagístico, mas apresenta uma boa representatividade filogenética. Ao todo, são mais de 4.700 acessos, representando 181 famílias botânicas, 953 gêneros e aproximadamente 4300 espécies de plantas vasculares. Tamanha diversidade faz do Inhotim um espaço único, tornando-o um excelente ambiente para a difusão de valores ambientais. 


Endereço:

Rua B, 20 - Brumadinho


Telefone:

31 3571-9700


Horário de Funcionamento:

3ª a 6ª das 9h30 às 16h30,

Sábado, domingo e feriados das 9h30 às 17h30


Valor:

Terça, quinta, sexta, sábado, domingo e feriado: R$ 44,00 (inteira).

Quarta-feira (exceto feriado): entrada gratuita*.

Fechado às segundas-feiras.


Complexo da Pampulha

O Conjunto Moderno da Pampulha, obra-prima que leva a assinatura de importantes nomes da arquitetura e das artes, como Oscar Niemeyer, Roberto Burle Marx e Cândido Portinari, e principal cartão-postal da cidade de Belo Horizonte, se tornou, em julho de 2016, Patrimônio Cultural da Humanidade, título emitido pela Unesco.



O Conjunto inclui os edifícios e jardins da Igreja de São Francisco de Assis (Igrejinha da Pampulha), o Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha), a Casa do Baile (atual Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte) e o Iate Golfe Clube (hoje Iate Tênis Clube), construídos quase simultaneamente entre 1942 e 1943, além do espelho d'água e a orla da Lagoa. O conjunto também contempla a Praça Dino Barbieri (em frente à Igreja São Francisco de Assis) e a Praça Alberto Dalva Simão (próxima à Casa do Baile), ambas projetadas por Burle Marx.



As edificações têm grande significado para as gerações presentes e futuras da humanidade, pois é um marco vivo, íntegro e autêntico da história da arquitetura mundial, da história brasileira e das Américas.